Caixa - Redução da Taxa de Juros do Financiamento

14
Setembro / 2021

Caixa - Redução da Taxa de Juros do Financiamento

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse nesta segunda-feira que anunciará uma redução da taxa de juros do financiamento imobiliário na próxima quinta-feira. A fala ocorreu diante do presidente Jair Bolsonaro durante uma cerimônia de lançamento do Habite Seguro - programa habitacional para policiais no Palácio do Planalto.

 

“A Caixa vai reduzir os juros. Não tá aumentando a Selic? Então a Caixa, com o lucro que nunca teve, sem roubar, vai diminuir os juros da casa própria. Mas isso fica para quinta-feira”, disse Guimarães.

 

O executivo não deu detalhes sobre de quanto será a redução nem a que faixas de renda.

 

Em sua fala, Guimarães atribuiu medidas como essa ao fato de que pela primeira vez em uma década a Caixa terá seu balanço de FGTS “sem ressalvas”, insinuando haver corrupção em gestões passadas.

 

“Se a Caixa não estivesse hoje tão sólida, este programa não existiria. O fato de a Caixa ter pela primeira vez em dez anos o seu balanço o do FGTS (...) sem ressalva significa o quê? Solidez”, disse. “R$ 46 bilhões foram roubados, desviados. O que isso significa? 500 mil famílias deixaram de ter suas casas próprias porque esse dinheiro foi para quem não precisava e isso não é a gente que está falando.”

 

O mercado financeiro vem elevando, além disso, suas estimativas para a Selic. Segundo o relatório Focus, a mediana das estimativas para este ano subiu de 7,63% para 8% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão subiu de 7,75% para 8%.

 

A piora nas previsões para a Selic refletem a perspectiva de uma inflação mais alta. O mesmo boletim Focus subiu uma estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 8% neste ano. Foi a 23ª alta seguida.

 

A alta da inflação, sobretudo de preços ligados a energia e alimentos, vem afetando duramente a população mais pobre. E isso acaba tendo reflexos negativos na popularidade e nas intenções de voto do presidente, que pretende concorrrer à reeleição no ano que vem. Pesquisas indicam que hoje ele está bem atrás do ex-presidente Lula nas simulações.

 

Diante dos dados ruins, Bolsonaro vem exercendo pressões sobre a equipe econômica para que anunciem medidas voltadas para as camadas de baixa renda.

 

Ontem, o governo anunciou a sanção de uma lei que obriga as empresas elétricas a incluírem na tarifa social todas as pessoas cadastradas como beneficiárias de programas sociais no Cadastro Único. A estimativa é que o número de beneficiários dobre.

 

Conteúdo originalmente publicado pelo Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico

Fonte: Valor Investe